Locatário prefere imóvel com mobília mesmo sendo 15% mais caro

SÃO PAULO – O mercado de imóveis mobiliados está sempre aquecido, apesar dessas propriedades contarem com aluguéis em torno de 15% mais caros do que aquelas que não possuem nenhum móvel.

De acordo com a gerente de Locação e Vendas da Lello Imóveis, Roseli Hernandes, o público desses imóveis é bastante específico. Dentre eles, estão estudantes que farão um curso por tempo determinado, pessoas que se separam, mas ainda estão indecisas e não querem investir em imóveis, e executivos que usam São Paulo como cidade dormitório.

“Sempre há procura por esses imóveis mobiliados, em especial em determinadas regiões, como Pacaembu, Perdizes, onde há pessoas fazendo residência, faculdade etc”, explicou Roseli. “Praticamente todo mundo gosta do semimobiliado, aquele com armário embutido e com cozinha planejada”, completou.

Realidade nacional

De acordo com a gerente de Locação da Guarida Imóveis, do Rio Grande do Sul, Milena Machado, os apartamentos mobiliados ou semimobiliados também atraem clientes mais exigentes e com maior potencial econômico, que buscam tempo e calma para a aquisição de um imóvel. O tipo de produto apresenta uma série de comodidades.

“A maioria dos locatários procura apartamentos que já tenham alguma mobília, mesmo que isso influencie diretamente no valor do aluguel”, afirmou. “Isso indica que os imóveis mobiliados são atrativos no mercado e, muitas vezes, agilizam a locação. Esse tipo de imóvel tem como característica não permanecer muito tempo desocupado”.

Gosto não se discute

Normalmente, um imóvel mobiliado é deixado para a locação por uma família que vai se mudar. Não que uma pessoa invista em mobília para depois alugar a propriedade.

De acordo com Roseli, a presença de mobiliário pode encarecer o aluguel do imóvel, mas, ao mesmo tempo, pode desvalorizá-lo, caso não agrade a quem quer locar. “Tem gente que deixa TV LCD, mesa bonita, mas, dependendo da mobília, também tem de reduzir o valor do aluguel. Às vezes, uma pessoa não aluga por causa da mobília. É bem subjetivo, a pessoa tem que ir lá e ver se gostou”, explicou.

O importante, nessa situação, é que ambos os lados tomem cuidado, para que nenhum tipo de prejuízo ocorra. “É bom sempre fazer uma vistoria, desde a marca até a cor do móvel que está sendo disponibilizado”.

Fonte: InfoMoney / Flávia Furlan Nunes / CRECI-PR