Apartamento compacto atrai clientes e incorporadoras

Tendência de casa dormitório, com espaço privativo menor e serviços em áreas comuns segue firme no mercado

O apartamento compacto parece ter ganhado mesmo o título de queridinho do mercado imobiliário. É o conceito de ‘menos é mais’. O bom preço e o uso da residência praticamente como dormitório tem feito as incorporadoras investirem em espaços privativos cada vez menores. De 40 a 50 metros quadrados no passado, hoje chegam a ter 10 a 20 metros quadrados, quase um cômodo.

Segundo dados do Grupo ZAP, apartamentos lançados com até 30 m² mais do que dobraram o crescimento nos últimos 3 anos, em São Paulo. Os chamados studios (apartamentos com pequenas dimensões, sem divisórias entre quarto, sala e cozinha) tem se destacado.

Em 2017, essa tipologia representou 79% do total de apartamentos lançados com até 30 m². Já no ano passado, o volume se manteve: 71% do total lançado com até 30 m² foi do tipo studio.

A arquiteta Cátia Ferreira explica que as construtoras apostam em plantas bem resolvidas, com tudo à mão, sem perder o conforto.

“É o conceito de hotelaria. Esses apartamentos atendem sobretudo a geração Y (nascidos entre a década de 1980 e o final da de 1990), do desapego, da busca pela funcionalidade e com postura de compartilhamento”, diz.

Ela lembra que esses empreendimentos costumam ter áreas comuns com lavanderia compartilhada, academia, espaço gourmet e de trabalho.

(Foto: Shutterstock)

Para a arquiteta Giovanna Gogosz, os ambientes menores oferecem mais praticidade.

“Muita gente que vai morar só não quer ter o trabalho de pensar no apartamento inteiro, em manutenção, limpeza. Um apartamento compacto acaba sendo mais prático. Acredito que esse seja o maior motivo para a escolha, principalmente para quem está no começo da vida ou no final. A pessoa divorciada, por exemplo”.

Apartamento compacto

Gerente de marketing e inteligência de mercado da Nortis Incorporadora e Construtora, Rodolfo Dell Vale afirma que o apartamento compacto é uma aposta das incorporadoras para trazer diversidade aos perfis dos prédios e uma gama maior de clientes.

“Para um projeto desses, levamos em consideração diversos aspectos, como questão sociodemográfica da região, mobilidade, preço do metro quadrado”.

Apartamento compacto chama atenção no mercado mobiliário. (Foto: Shutterstock)

Diretor-geral da Benx Incorporadora, Luciano Amaral explica que a localização é um diferencial. Esse tipo de imóvel costuma estar próximo aos serviços, como transporte público – metrô e ônibus – e shoppings.

“O perfil está mais voltado para pessoas solteiras e separadas”, acrescenta.

Diretora de incorporação da RZK Empreendimentos Imobiliários, Verena Balas ressalta que o apartamento compacto costuma ter valor mais acessível. É a possibilidade do primeiro imóvel para jovens, por exemplo.

“Esse perfil deseja empreendimento com equipamentos públicos próximos, áreas externas de serviços e também uma localização que forneça mobilidade”.

Segundo ela, espaços coletivos completos trazem facilidade e agilidade para a rotina dos moradores.

“Hoje há uma preocupação enorme com infraestrutura e qualidade de vida dos moradores. Há também a questão de não olhar só para o empreendimento, mas ter uma visão urbanística”.

Fonte: www.zapimoveis.com.br